We Write Better
encontre o angulo certo para o seu conteudo

Faça os leitores notarem seu conteúdo: encontre o ângulo certo

5
(2)

Muitos de nós passamos por experiências interessantes de negócios, e gostaríamos que isto fosse notado no mar da competitividade como uma forma única de pensamento inteligente.

O problema é que nem sempre o que sabemos é interessante; para isso, encontre o ângulo certo para o seu conteúdo.

Nesta breve conversa, iremos falar o que é um ângulo correto para um conteúdo, e como você pode transformar para seus leitores a mesma resolução dos seus problemas de forma distinta e original.

Vou lhe mostrar que você deve fazer o contrário do que tem feito até agora; levando o leitor a ser impactado, causando discórdia com o que ele acredita, atraindo e engajando o seu público de forma poderosa.

Como os leitores podem notar o seu conteúdo no oceano da web?

como os leitores acham um conteudo no oceano da web
Encontre o ângulo certo para fazer seus leitores lembrarem sobre o que você escreve, o que foi dito e como foi dito.

Em 2004, o psicólogo e neurocientista Ullrich Ecker realizou  um estudo sobre as manchetes dos artigos.

Os participantes foram convidados a ler um artigo com base em fatos ou opiniões, e precisaram responder a várias perguntas sobre seu conteúdo.

Metade dos participantes recebeu uma versão, com uma manchete projetada para inclinar sua percepção de uma maneira, e a outra metade recebeu uma outra versão, com uma manchete projetada para inclinar sua percepção de outra forma.

A percepção das pessoas sobre os assuntos dos quais estavam lendo era influenciada pela inclinação da manchete que recebiam – mas essa não foi a parte surpreendente do estudo.

A parte mais surpreendente disso tudo foi a forma de analisar do leitor, quais detalhes eles foram capazes de lembrar, e quão bem eles conseguiam se lembrar deles.

As pessoas se lembraram do conteúdo real (seja de fato ou baseado em opiniões) de maneiras diferentes, dependendo da forma como o título enquadrou o texto.

O enquadramento, em outras palavras, determina a lembrança – e não apenas a memória das pessoas ao obterem detalhes mecânicos, mas também a memória das pessoas sobre o que se tratava seu conteúdo.

O ângulo que você toma não decide apenas se iremos clicar no seu texto ou no próximo – ele decide também como leremos o seu texto.

O enquadramento dá poder a sua percepção

visao mais apurada das coisas
Gere discórdia dentro de um tema que já foi abordado, mostre a diferença em apresentar suas ideias.

O mundo SaaS é cheio de verdades incontestáveis, como: “construa coisas que as pessoas querem” e “contrate para a cultura”.

Na maioria das vezes, as pessoas encaram essas afirmações pelo valor que elas transmitem, mas quando recebem motivos para questionarem essas crenças básicas, elas ouvem ou leem o que está sendo dito.

É mais fácil de ver essa tática em ação no conteúdo de liderança de pensamento. Chris Savage, fundador e CEO da Wistia, é um dos melhores em alavancar esse tipo de curiosidade em seus posts.

Seus títulos rotineiramente reproduzem valores diretos de inicialização, de maneiras sutis e pontuais. Eles são contrários sem serem externos, e é isso o que os torna clicáveis e impactante.

As ideias que Chris transmite nas postagens não são agressivamente contrárias às suas linhas de pensamento comuns sobre liderança ou trabalho. Mas cada título acima pega esse “insight” central e o estende a um conceito preguiçoso e familiar que todos nós pensamos que conhecemos.

Ao enquadrar os insights nesses termos familiares, eles se tornam mais importantes – e nos fazem querer clicar a todo custo.

Normalmente, não pensamos que devemos diminuir a velocidade quando a concorrência acelera; nem que “pensar” seja um trabalho para o qual precisamos dedicar tempo.

É por isso que esses títulos funcionam tão bem nesse nível de curiosidade. Além disso, podemos não professar acreditarmos que “ocupado = bem-sucedido”, mas reconhecemos (e possivelmente ressentimos) o truísmo escondido por trás dessa afirmação o suficiente para clicarmos, e vermos como Chris a desvenda.

Hiten Shah (outro grande exemplo de escritor com uma pegada diferenciada na criação de ângulos de conteúdo: ele traz a opinião contrária daquilo que costumamos acreditar ser o certo) é o outro ótimo exemplo:

Cada um desses conteúdos contraria nossas expectativas de como o SaaS (uma forma de distribuição e comercialização de software), assim como outras empresas de startup, devem pensar sobre crescimento, seus mercados e produtos de construção.

O pensamento de que o Trello “falhou” é claramente absurdo – como Shah reconhece no texto -, mas faz sentido quando você realmente lê o artigo e pensa sobre ele no contexto do capital de risco contemporâneo e de como se espera que as startups cresçam.

Depois, há a ideia de que “copiar” seria algo a se tentar, uma tática premeditada, e não a jogada desesperada de um negócio que está “morrendo”.

Pode parecer errado, mas foi confirmado muitas vezes nos últimos anos que a cópia é um dos movimentos estratégicos mais poderosos que uma startup pode fazer.

Hiten e Chris escreveram alguns dos conteúdos mais memoráveis sobre negócios e startups nos últimos anos.

Lembro-me dessas postagens não apenas por seus títulos, mas também pelos argumentos contidos e como a lógica deles funcionava para me convencer de seus pontos específicos.

Isso não é coincidência – é o poder do enquadramento do ângulo do seu conteúdo. Então, encontre o ângulo certo.

Como encontrar ângulos originais?

como encontrar angulos originais
A menos que você enquadre o tópico da maneira correta, sua postagem não terá o alcance ou o impacto que poderia ter.

Encontrar um ângulo único e original para abordar um tópico é a parte mais difícil e mais importante ao escrever uma postagem no blog.

Ao escrever uma postagem, você sabe o que deseja dizer. Você provavelmente tem alguma experiência pessoal que informa sua compreensão.

Você sabe que tem coisas interessantes a falar sobre a cultura da empresa, estruturas organizacionais, contratação de desenvolvedores, ou sobre o que quer que seja.

Sem um ângulo interessante a combinar, no entanto, é improvável que o que é interessante no que você tem a dizer, brilhe na “escuridão da competitividade”.

Não importa o quão difícil seja a compreensão ou a inteligência sutil ali dita: a menos que você enquadre o tópico da maneira correta, sua postagem não terá o alcance ou o impacto que poderia ter.

Aqui está um exercício simples que você pode executar para gerar ideias de postagem no blog, bem como “preparar a bomba” em ângulos únicos a serem atingidos em futuras postagens no blog.

Deve demorar cerca de uma hora. No final, você terá pelo menos uma ideia de alta qualidade para uma postagem no blog – do conteúdo ao ângulo do título.

Primeiro, monte uma lista de pelo menos 20 a 30 truques perfeitos (ou o mais próximo possível) sobre o setor ou o assunto do qual você deseja escrever.

Pode ser útil ter alguém para montar isso, para evitar preconceitos. É ainda melhor se você puder obter seus truques de uma instituição relevante definitiva: como montar sua startup: um roteiro para iniciantes.

É realmente difícil de se argumentar contra muitos destes pontos:

  • Construa algo que as pessoas querem;
  • Faça coisas que não escalam;
  • Durma e se exercite – cuide-se.

São práticas recomendadas por um motivo.

Procure os tipos de afirmações que guiam o pensamento das pessoas sobre um tópico, tanto as pequenas coisas que as pessoas tendem a dar por garantidas, quanto as coisas fundamentais em que acreditam sem pensarem ativamente. “Mostre, não conte.”

Aqui estão alguns exemplos de truques que você pode usar, emprestados do YC guide, que fala dos conselhos de inicialização da Startup.

  • As empresas de SaaS precisam ser agressivas com as vendas para ganhar;
  • Você deve fazer toneladas de pesquisas com usuários antes de começar a trabalhar no seu produto;
  • As startups são mais produtivas que as grandes organizações empresariais;
  • Você nunca deve realmente pensar em seus concorrentes;
  • Levante dinheiro o mais rápido possível e volte ao trabalho;
  • Evite conferências, a menos que sejam a melhor maneira de atrair clientes;
  • Às vezes você precisa demitir um cliente;
  • Não comece uma empresa pensando: “Que tipo de empresa posso começar?” Pense em “Que tipo de problema posso resolver?”
  • É melhor criar algo que um pequeno número de usuários adora do que algo que muitos usuários gostam;
  • Quando há várias direções em que sua empresa pode crescer, você deve sempre escolher o caminho mais ambicioso;
  • Itere seu produto e sua empresa o mais rápido possível, especialmente no início;
  • Evite fazer grandes negócios com grandes empresas quando começar pela primeira vez.

Em seguida, percorra a lista, de preferência com um parceiro com o qual você pode trocar ideias, e configure o QuickTime ou o Zoom para gravar.

Para cada item, você deve analisar se existe algum motivo para acreditar no contrário da ideia. Reflita se você pode imaginar casos interessantes nos quais a verdade absoluta do contexto pode não se sustentar.

Talvez a contratação para formação de uma cultura faça sentido desde o início, à medida que você constrói a liderança futura da sua empresa, mas se torne menos importante posteriormente. Talvez não.

A ideia é estimular esses truques, ver se existem buracos neles e, o mais importante, se seu pensamento pode fazer alguma coisa para preencher as lacunas de maneiras novas e esclarecedoras.

Se você escolheu bem seus pensamentos e ideias, provavelmente não terá muito a dizer para a maioria dos itens da sua lista. Pule itens de forma livre e frequente – é por isso que você deve reunir uma lista de 20 a 30 truques se quiser encontrar um ou dois bons ângulos de postagem no blog.

Os um ou dois pontos pelos quais você se sente apaixonado e envolvido na reversão da convenção – esses são seus ângulos.

O título da sua postagem no blog provavelmente surgirá organicamente desse ângulo.

Se você estiver repensando a instrução clássica de “mostrar, não contar,” pode começar a fazer um brainstorming com algo como “Ao contar do que é melhor”.

Os títulos se escrevem quando você usa essa técnica para ter ideias para o blog. Postagens.

Isso pode soar como clickbait, e é, no sentido de que qualquer post de blog na internet por volta de 2020 precisa fazer um mínimo de “isca” para levar as pessoas a lerem – mas também é mais do que isso.

A verdade é que, quando você pega as ideias que circulam em seu cérebro, a experiência coletada, as histórias e insights de guerra que você acha que podem ser valiosos, e apenas os escreve em um estilo honesto, verdadeiro e de fluxo de consciência, eles geralmente vão soar genéricos. Ninguém os quer ler.

O insight não é o que fará suas postagens chegarem lá. O ângulo é o responsável por isso.

Por que alguém deveria notar seu conteúdo?

seja sempre a garota da direita
Seja a garota da direita, faça diferente e colha frutos que seus concorrentes não são capazes.

Ao escrever uma postagem no blog, você está dizendo que acredita ter alguma situação ou problema únicos o suficiente para que sua voz seja ouvida.

Se você realmente acredita ou acha que é irrelevante – quando você se senta e publica essa postagem -, essa é a mensagem que você está enviando.

O problema é que, para a maioria de nós, nossos problemas não são tão únicos, nem o são nossas ideias para resolvê-los.

Noventa e cinco por cento das startups lidaram com a questão da contratação por cultura, e mudaram a maneira como abordam a contratação ao longo do tempo.

Todo mundo lidou com os desafios de escalar à medida que cresciam, e muitos desses desafios não diferem muito desde a inicialização até a caminhada.

Os problemas e soluções não são a parte interessante aqui.

Como você enquadra seus pontos – o ângulo que você escolhe – é a parte interessante.

Sua postagem será inevitavelmente comparada a centenas ou milhares de outras pessoas que leram outras soluções parecidas; portanto, se você deseja que as pessoas cliquem, leiam e lembrem-se do que você disse, é necessário conhecer as expectativas das pessoas e subvertê-las.

PS: Os títulos dos conteúdos citados hoje, estão em inglês, mas eu não poderia deixar de citar o Chris Savage e Hiten Shah aqui.

Não existe no Brasil um trabalho que seja tão interessante quanto o deste profissional, em termos de contradições em títulos; sinceramente, ainda não encontrei. 

Caso tenha uma dica de conteúdo brasileiro com essas características, topamos dar uma estudada no estilo de escrita dessa pessoa, e iremos colocá-lo neste conteúdo.

Deixe a dica nos comentários. Obrigado!

Quão útil você achou este artigo?

Clique em uma estrela para classificar o conteúdo

Classificação média 5 / 5. Contagem de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar esta postagem.

Diego Brasileiro

Comentários

× Como podemos ajudá-lo?